O problema com os adultos solteiros (e como podemos resolvê-lo)

O isolamento é um grande problema entre os jovens adultos solteiros. De acordo com a BBC, quase 10% das pessoa com idade entre 16-24 relatam sentir-se solitários, que abrange a faixa dos adultos solteiros, mais do que qualquer outra faixa etária e três vezes mais do que as pessoas com 65 anos ou mais.

Problemas no ensino médio, tais como “panelinhas” continuam nos lugares onde existem alas de adultos solteiros e um fator de atribuição para estas panelinhas e o isolamento que enfrentamos. Durante a transição entre a juventude e a fase de adultos solteiros, estamos tentando encontrar o nosso lugar no mundo. E este pode ser u processo difícil.

Isolamento dos mal-entendidos

telas

É difícil abrir as asas e conhecer novas pessoas. Também é difícil de ser constantemente lembrado de que você está solteiro com o título de jovem adulto solteiro. É a única época da vida em que somos definidos pelo estado civil. É fácil de ser alvo de comparações e sentir que está com algo faltante, pois todas as outras pessoas parecem ter tudo resolvido. É fácil sentir que todos a sua volta estão julgando. E é fácil isolar-se porque não se sente que os outros compreendem você.

Francamente, não temos ideia quando as pessoas estão sofrendo. Elas podem ser muito boas em esconder as coisa pelas quais estão passando. As provações de cada um são exclusivas e apenas Cristo as entende por completo.

Isolamento por “mentalidade de projeto”

Resgatar

Ninguém jamais deve se sentir como se fosse a “pessoa projeto” da ala. Ouvimos muito sobre ministrar às pessoas que são de nossa responsabilidade, mas na verdade ministrar é ser amigo.  Ninguém deve se sentir como se fosse um projeto, porque não é assim que Cristo vê. Sim, todos estamos aprendendo sobre ministrar. Mas amizades todos já sabemos fazer. E a melhor maneira de ministrar é sendo um amigo.

Entrar para o time de adultos solteiros pode ser uma experiência esmagadora, diferente e assustadora. Se não formos cuidadosos, podemos isolar alguém ao ponto onde não querer nem ouvir falar mais da Igreja.

Mas há uma maneira de corrigir isso: simplesmente sendo um verdadeiro amigo. Um dos títulos de Cristo é Amigo. Ele deu a vida por Seus amigos — nós, porque Ele nos ama. Ele pede que amemos nossos semelhantes, mesmo se for difícil amá-los.

Aqueles que são chamados de “antissociais” geralmente são quem mais precisam de amor.

E como demonstramos amor cristão? Como resolver o problema de isolamento?

A resposta está na caridade.

Caridade

adultos solteiros

Morôni diz o seguinte sobre a caridade: “E a caridade é sofredora e é benigna e não é invejosa e não se ensoberbece; não busca seus interesses, não se irrita facilmente, não suspeita mal e não se regozija com a iniquidade, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

Mas a caridade é o puro amor de Cristo e permanece para sempre; e para todos os que a possuírem, no último dia tudo estará bem”.

Caridade não é doar dinheiro para uma boa causa.  Caridade é mostrar amor Cristão. Esqueça o pratinho de doce ou salgado. Ouvir com um coração gentil pode fazer de você um instrumento de Deus na terra.

A caridade deve ser parte do que somos. Devemos estar dispostos a mostrar esse amor a quem quer que seja e onde quer que o Salvador quer que o façamos. Ele andou fazendo o bem e ministrando a solitários e oprimidos.

Ser um adulto solteiro é um momento desafiador. Mas essa não precisa ser uma época de isolamento. Podemos aproximar-nos de outras pessoas e fazer novas e eternas amizades, especialmente com aqueles a quem ministramos. Não é uma designação, é nossa salvação eterna. É um modo de vida caridoso.

Fonte: Mormonhub

Relacionado:

10 coisas que os mórmons solteiros gostariam que você soubesse

 

 

The post O problema com os adultos solteiros (e como podemos resolvê-lo) appeared first on Mormonsud.net.

O post O problema com os adultos solteiros (e como podemos resolvê-lo) apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *