Confiando no Salvador durante minha doença crônica

Eu estava começando um novo semestre na escola, e meu único objetivo era sobreviver no semestre com notas decentes. Não parece um objetivo muito elevado, mas está se tornando cada vez mais difícil. Eu estava sentindo tontura, fadiga e náusea cada vez mais, mas eu não me incomodava (na maioria das vezes apenas negava).

Todas as manhãs eu acordava às 7 e me arrastava para a aula, sentindo-me mal do estômago e sentindo uma grande névoa cerebral. No momento em que eu terminava as aulas ao meio-dia todos os dias, eu estava morta de cansaço. Eu sabia que deveria ficar no campus para estudar e terminar meu dever de casa, mas todo dia eu estava em um estado máximo de exaustão, e tinha que ir para casa e tirar um cochilo.

Meus cochilos consumiam todo o meu dia. Muitas vezes eu acordava 5-6 horas depois, ainda mais estressada sobre tudo o que tinha que fazer. E não importava quanto tempo eu dormia, ainda me sentia exausta. Eu tinha voltado para casa recentemente de uma missão onde eu tinha estado doente com doenças misteriosas repetidas vezes. Cada vez que eu confiava em meu Salvador, eu recebia força e era curada.

Eu cheguei em casa uma transferência mais cedo e consegui fazer um tratamento, antes de voltar para a escola, mas o semestre se tornou mais intenso e o meu pior pesadelo estava se tornando realidade – minha doença estava retornando.

ensinamentos do profeta

Minha doença crônica

Dentro de três semanas, fui diagnosticada com a doença de Lyme. Há muitas pessoas que vêm recebendo um diagnóstico depois de meses de doença que é difícil de definir. Por um lado, fiquei tão aliviada. Aliviada que não estava apenas na minha cabeça ou algo que eu estava imaginando. Aliviada eu tinha um caminho a seguir. Mas quanto mais eu aprendia sobre minha doença crônica, mais eu aprendia que muitas vezes não tinha tratamento definido, e provavelmente levaria anos para recuperar minha vida normal.

À medida que as semanas passavam, os tratamentos começaram, os sintomas pioraram e minha meta de sobreviver ao semestre com notas decentes parecia impossível. Quando pensei em me retirar das aulas, fiquei perplexa. Aqui estava eu, a milhares de quilômetros de casa com o único propósito de frequentar a escola e obter minha educação. Se eu não fizesse isso, quem era eu? Qual papel eu interpretaria? Minha vida teria algum significado? O que preencheria meu tempo? Eu seria julgada por fazer uma pausa?

Eu tinha 22 anos e estava fisicamente incapaz de ir à escola, trabalhar e até mesmo manter uma vida social saudável. Era como se Deus tivesse pressionado um botão de pausa na minha vida, minhas esperanças, meus sonhos. Senti-me presa, incapaz de progredir, incapaz de ter qualquer controle sobre minha vida – no presente e até no futuro.

revelação pessoal, minha oraçao

O entendimento

E então aconteceu algo que mudou tudo. Eu não recebi a bênção de cura que eu queria tão desesperadamente, mas recebi o entendimento que de repente tornou tudo sobre minha situação suportável. Em um dia particularmente difícil, senti que Deus tinha uma mensagem importante para mim e, enquanto eu procurava, recebi  direção, conforto e paz.

Eu senti muito fortemente que este momento não foi um golpe de sorte que estava interrompendo meu plano de felicidade. Este foi o plano de felicidade que o Pai Celestial teve para mim. Parece paradoxal, um plano de felicidade cheio de sofrimento diário, mas era verdade. Eu aprendi a ser feliz, apesar das minhas terríveis circunstâncias. Fiz tudo o que podia para procurar o sol e desfrutar – realmente, aproveitar plenamente – a “pausa” que o Pai Celestial me dera. Eu aprendi muito sobre mim e meus limites. Eu aprendi mais sobre os outros e como eles estavam dispostos a sacrificar para me ajudar. Eu brinquei que eu tinha uma meia-vida (porque eu literalmente dormia 16 horas todos os dias), mas era uma vida muito abundante.

Nos meses e anos seguintes, pude confiar totalmente no Senhor. Eu não tinha ideia de quando eu iria melhorar, qual tratamento ou médico realmente ajudaria, ou quando eu seria capaz de retomar a escola e progredir em direção aos meus objetivos, mas eu sabia a qual fonte procurar por esperança. Eu sabia que se eu pusesse minha confiança e esperança em minha própria habilidade para curar ou em vários tratamentos ou médicos, eu seria continuamente decepcionada, mas porque eu coloco essa fé, esperança e confiança em Deus, a única pessoa que nunca deixa qualquer um de nós para baixo e então, eu poderia continuar.

A sensação de desesperança desabou sobre mim quando pensei no futuro, quando tive minha visão do “aqui e agora” e tentei ver onde estava o fim. Eu nunca conseguia ver, por isso sempre parecia assustador, intransponível. Não importa o quão bem eu estivesse lidando, enquanto eu olhava para a estrada aparentemente interminável que eu precisava seguir em frente, minha vontade ia se desfazendo. Eu dizia: “Eu não sou forte o suficiente. Eu não posso mais fazer isso.”

Minhas orações

Nestes dias, eu implorava por um milagre. Eu dizia: “Tudo bem, Pai Celestial, aprendi muito. Pode acabar com o teste agora? Não foi tempo suficiente?” Mas geralmente eu ficava de joelhos em oração por tempo suficiente para que eu me sentisse humilde e dissesse: “ Mas se não, me ajude a passar por isso. O pão nosso de cada dia nos dai hoje.”

E foi assim que o Salvador me ministrou: um dia de cada vez. Ele sempre me deixou saber que Ele estava ciente de mim. Ele sempre me dizia que eu era forte o suficiente e que Ele nunca me deixaria experimentar qualquer coisa que Ele soubesse – com Seu conhecimento perfeito – que eu não conseguisse entender. Ele sempre me dava paz para me carregar por pelo menos mais um dia, e isso era tudo de que eu precisava. Um dia, assisti a uma Mensagem Mórmon do Élder D. Todd Christofferson e comecei a chorar porque ele disse exatamente o que eu estava sentindo:

“Quando isso [o julgamento] começou a acontecer na minha vida, minha oração foi: Dê-me um milagre, resolva este problema, e demorou um pouco para finalmente chegar ao ponto de dizer: Estou contente em receber ajuda diária e deixar que demore o tempo que for necessário, estou confiando em Deus. Desde então o meu relacionamento com Ele melhorou. Talvez a maior bênção seja ter que passar pelas dificuldades com Ele. ”

Sou grata por cada dia de doença, porque me ensinou a confiar verdadeiramente em Jesus Cristo. Embora eu tenha um plano para a minha vida que seja incrível, o plano do Pai Celestial para mim é sempre melhor. Todos os dias, vejo novas oportunidades que são perfeitas para mim e que não teriam acontecido se o Pai Celestial não tivesse visto o botão de pausa da minha vida.

Durante aqueles tempos difíceis, Ele não estava apenas me preparando para o Seu reino, um objetivo distante no final da estrada. Ele estava me preparando para hoje. Agora mesmo. Ele estava me preparando para o meu próximo passo. Tudo o que tenho hoje é resultado dos momentos difíceis que eu passei. Minhas maiores bênçãos vieram do lugar onde o Pai Celestial me conduziu. Ensinou-me como nada sou e quão forte posso ser quando confio em Sua graça. Andar pela fé e não ficar muito presa ao futuro. Planejar com antecedência, mas estar disposta a ser guiado através de cada reviravolta da vida. Permitir que Ele me conduza, dia a dia.

Mary Ririe nasceu no estado do Texas e acabou de se formar pela Universidade Brigham Young em engenharia civil. Retornará à BYU no próximo outono para um mestrado. Ela é casada e gosta de brincar com seu cachorrinho fofo e jogar basquete (ou basicamente qualquer esporte) com o marido.

Traduzido do Inglês do site LDS.org por Inaê Leandro.  

 

The post Confiando no Salvador durante minha doença crônica appeared first on Mormonsud.net.

O post Confiando no Salvador durante minha doença crônica apareceu primeiro em Portal SUD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *